Turismo cultural: acessibilidade da infraestrutura física no Museu Etnográfico – Casa dos Açores, Biguaçu/SC, Brasil

Autores

  • Letícia Indart Franzen Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI)

Palavras-chave:

Turismo Cultural; Patrimônio Histórico e Artístico Nacional; Acessibilidade; Biguaçu/SC/Brasil

Resumo

Para desenvolver o turismo de forma inclusiva para a comunidade receptora e para o visitante deve-se considerar o acesso seguro e autônomo de ambos os atores. O presente artigo tem por objetivo geral analisar a acessibilidade da infraestrutura física para turistas com mobilidade reduzida e com deficiência que visitam o Museu Etnográfico – Casa dos Açores (Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) na cidade de Biguaçu/SC, Brasil. Desta forma, questiona-se como o referido museu se apresenta como meio de comunicação para este público. Para tanto, foi realizada uma pesquisa bibliográfica e documental acerca dos temas: turismo cultural, patrimônio histórico e artístico, museus e acessibilidade. Em seguida, foi feita uma visita técnica in loco com o intuito de observar como está a situação atual deste museu, referente à acessibilidade para este público-alvo. Notou-se que a infraestrutura física se encontra em boas condições, porém se observa uma série de carências para bem atender as necessidades diversas do público-alvo em questão. Com isso, conclui-se que devem ser feitas intervenções na infraestrutura, a fim de proporcionar a este público maior acesso a este espaço, à cultura e à informação.

Referências

Associação Brasileira de Normas Técnicas (2004). NBR 9050. Acessibilidade a edificações, mobiliário espaços e equipamentos. Rio de Janeiro: ABNT.

Barretto, A., Filho (2009). Economia & Turismo. Santa Maria: Palloti.

Barretto, M. (2000). Turismo e legado cultural: as possibilidades do planejamento. Campinas, SP: Papirus. (Coleção Turismo).

Beni, M. C. (2006). Análise estrutural do turismo. São Paulo: Editora Senac São Paulo.

Biguaçu (Santa Catarina). Secretaria Municipal de Cultura, Esporte, Turismo e Lazer. Turismo Histórico-Cultural. Disponível em: .

Buhalis, D. & Michopoulou, E. (2011). Information-enabled tourism destination marketing: addressing the accessibility market. Current Issues in Tourism, 14(2), 145-168.

Brasil. (2012). Ministério do Turismo. Secretaria Nacional de Políticas do Turismo. Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico. Relatório do 3º Fórum Nacional de Cidades Históricas e Turísticas. Brasilia, DF.

Choay, F. (2001). A alegoria do patrimônio. São Paulo: Editora UNESP.

Decreto nº 5296 de 2 de dezembro de 2004 (2004). Publicado no D.O.U, nº 232, sexta-feira. Brasiília 2004. Recuperado em https://www.planalto. gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2004 /Decreto/ D5296.htm

Farias, V. F. (2000). Dos Açores ao Brasil Meridional: uma viagem no tempo: 500 anos, litoral catarinense. 2 ed. Florianópolis: Ed. do autor.

Fundação Catarinense de Cultura. Recuperado http://www.fcc.sc.gov.br /patrimoniocultural/.

Gomes, D. M. C. (2005). Turismo e museus: um potencial a explorar. In: Funari, P. P., & Pinsky, J. Turismo e patrimônio cultural. São Paulo: Contexto. (Coleção Turismo Contexto).

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo 2010. Recuperado em http://www.ibge.gov.br/home /estatistica/populacao/censo2010/caracteristicas_religiao_deficiencia/caracteristicas_religiao_deficiencia_tab_pdf.shtm

Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Recuperado em http://portal.iphan.gov.br/portal/montarPaginaInicial.do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

Instrução Normartiva nº 1 de 25 de novembro de 2003. Recuperado em http://portal.iphan.gov.br/montarDetalheConteudo.do?id=12250&sigla=Legislacao&retorno=detalheLegislacao

Leal, E. J. M. (2011). Produção acadêmico-científica: a pesquisa e o ensaio. Itajaí: Universidade do Vale do Itajaí. Recuperado em http://univali.br/biblioteca

Marconi, M. A. & Lakatos, E. M. (2010). Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Atlas.

Museu Etnográfico – Casa dos Açores (Biguaçu, SC). Disponível em: http://www.casadosacores.sc.gov.br/.

Pereiro, X. & Vilar, M. (2008). Ethnographic museums and essentialist representations of Galician identity. International Journal Of Iberian Studies, 21(2), 87-108. doi:10.1386/ijis.21.2.87_1

Richards, G. (2010). Tourism development trajectories - from culture to creativity? Tourism & Management Studies (6), 9-15. Hospitality & Tourism Complete, EBSCOhost.

Rivière, G. (2001). Role of museums of art and of human and social sciences. Museum International, 53(4), 33-42.

Rodrigues, M. (2005). Preservar e consumir: o patrimônio histórico e o turismo. In: Funari, P. P.; Pinsky. J. Turismo e patrimônio cultural. São Paulo: Contexto. (Coleção Turismo Contexto).

Smith, M. & Puczkó, L. (2012). Budapest: from socialist heritage to cultural capital? Current Issues in Tourism, 15(1–2, January–March), 107-119.

Spolon, A. P. G. (2007). Hospitalidade, arquitetura e a estética contemporânea dos espaços urbanos. Seminário da Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-Graduação em Turismo, 4., São Paulo. Anais. São Paulo: UAM, 1-15.

Tojal, A. P. F. (2007). Políticas públicas culturais de inclusão de públicos especiais em museus. 2007. 322 f. Tese de doutoramento em Ciência da Informação. Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo, São Paulo.

Tresserras, J. J. & Matamala, J. C. (2005). PH Boletín del Instituto Andaluz del Patrimonio Histórico, 54 (julio), 73-83.

Yin, R. K. (2010). Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman.

Downloads

Publicado

2014-03-27

Como Citar

Franzen, L. I. (2014). Turismo cultural: acessibilidade da infraestrutura física no Museu Etnográfico – Casa dos Açores, Biguaçu/SC, Brasil. Tourism and Hospitality International Journal, 2(1). Obtido de http://thijournal.isce.pt/index.php/THIJ/article/view/111