A mobilidade académica europeia e o turismo educativo e cultural: Fa tores de decisão e de motivação

Autores

  • Anabela Monteiro
  • Rui Machado Gomes

Palavras-chave:

mobilidade, motivos, cultura e educação

Resumo

O tema deste artigo reflete sobre os motivos e fatores de decisão que estimulam a realização de uma mobilidade académica europeia e a identificação dos padrões e tendências que aproximam a mobilidade académica do turismo educacional e cultural. Sendo nesta perspetiva que apresentamos o resultado onde se confronta o conhecimento científico, os conceitos e reflexões encontradas na revisão da literatura e o olhar do consumidor do programa Erasmus de mobilidade académica. A compreensão deste universo permitiu investigar, ajustar e aprofundar a pergunta de partida promotora desta tese: “O programa de mobilidade ERASMUS tem características que o permitem definir como uma forma de turismo de educação ou de turismo cultural?”

Referências

Cabral, Á. & Nick, E. (2006). Dicionário técnico de psicologia. São Paulo: Editora Pensamento - Cultrix LTDA.

Camargo, H. P., Santos, R. J. & Guterres, L. S. (2012). Antropologia no ciberespaço: Buscando compreender as experiências de deslocamento humano. Revista Rosa dos Ventos 4(IV). Retirado de: http://ucs.br/revistarosadosventos

Chiavenato, I. (1993). Teoria geral da administração, 1, 4ª edição. Lisboa: McGrawHill.

Coutinho, C. & Lisbôa, E. (2011). Sociedade da informação, do conhecimento e da aprendizagem: desafios para educação no século XXI. Revista de educação, XVIII(1), 5-22.

Cunha, L. (1997). Economia e política do turismo. Lisboa: MaCGraw-Hill.

Fellinger, J. (2011). Expectation and personal development. In E Value ate your exchange Research r eport of the ESNSurvey 2010 (pp. 31 37). Brussels: Erasmus Student Network AISBL.

Floch, J.-M. (1985). Imagens, signos, figuras – A abordagem semiótica da imagem (3). Porto: Cruzeiro Semiótico.

Gill, A. (2001). Gestão de pessoas. São Paulo: Editora Atlas .

Henriques, C. (2003). Turismo, cidade e cultura: Planeamento e gestão sustentável. Lisboa: Sílabo.

Hughes, H. (1995). Redefining cultural tourism. Annals od Tourism Research, 23 (3), 707-709.

Jafari, J. (2000). Encyclopedia of tourism. Oxon: Routledge World Reference.

Kant, I. (1996). Sobre a pedagogia . (F. C. Fontanella, Trad.) Piracicaba: Editora UNIMEP.

Krzaklewska, E. & Krupnik, S. (2006). Research report. The experience of studying abroad for exchange students in Europe. Erasmus Student Network .

Moesh, M. (2000). A produção do saber turístico. São Paulo: Contexto.

Richards, G. & Wilson, J. (2003). Today’s youth travellers: Tomorrow’s global nomads. New horizons in independent youth and student travel. A report for the International Student Travel Confederation (ISTC) and the Association of Tourism and Leisure Education. Amsterdam: International Student Travel Confederation (ISTC).

Ritchie, B. W. (2003). Managing educational tourism. Channel View Publication.

Sarmento, E. M. (2011). Reflexões sobre o conceito de epistemologia na análise do turismo e o enquadramento categorial da diversidade de concepções de ciência. Journal of Tourism Studies - COGITUR, 29-54.

Sheller, M. & Urry, J. (2004). Tourism mobilities - places to play, places in play. London, New York: Routledge.

Urry, J. (2000). Sociology beyond societies: Mobilities for twenty-first century. London: International Library of sociology.

Downloads

Publicado

2014-03-27

Como Citar

Monteiro, A., & Gomes, R. M. (2014). A mobilidade académica europeia e o turismo educativo e cultural: Fa tores de decisão e de motivação. Tourism and Hospitality International Journal, 2(1). Obtido de http://thijournal.isce.pt/index.php/THIJ/article/view/115

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)