O ENOTURISMO EM SANTA CATARINA (BRASIL): O CASO DA VINÍCOLA VILLAGGIO GRANDO

Autores

  • Flavia Baratieri Losso
  • Raquel Maria Fontes do Amaral Pereira

Palavras-chave:

Enoturismo, Santa Catarina, Vinhos de altitude, Villaggio Grando

Resumo

Este artigo centra-se na origem e na evolução dos investimentos enoturísticos nas regiões de altitude de Santa Catarina (Brasil), abordando a recente produção de vinhos de altitude. Optou-se pelo estudo de caso da vinícola Villaggio Grando que desperta atenções por já receber 2 mil turistas ao mês. Santa Catarina é o segundo produtor de vinhos do Brasil e apresenta regiões produtoras tradicionais relacionadas à imigração italiana. Entretanto, os investidores envolvidos com a produção de vinhos de altitude são empresários e profissionais liberais atuantes em outras atividades. A matriz teórica utilizada parte da análise da realidade sócio-espacial, baseando-se nos conceitos de Milton Santos, aliados à ideia de complexo de combinações de André Cholley. Conciliou-se ainda, a interpretação de Armen Mamigonian acerca da força e do dinamismo da pequena produção mercantil nas áreas de colonização europeia e a teoria da dualidade de Ignácio Rangel que abarca esferas distintas da realidade social. Este estudo de caso enquadra-se numa abordagem qualitativa, de cunho exploratório. Realizou-se pesquisa bibliográfica e documental, aplicação de entrevistas e saídas de campo. O enoturismo apareceu como uma ferramenta de marketing incorporada e aprimorada pela vinícola Villaggio Grando (VG). A atividade é capaz de fortalecer a imagem do vinho de altitude e no caso da VG representa 40% de suas vendas. Neste sentido, a investigação averiguou que os dirigentes da empresa pretendem desenvolver novas instalações para a promoção do enoturismo, além de representarem o dinamismo que a pequena produção mercantil catarinense vem impondo às áreas de colonização europeia do Sul do Brasil.

Referências

Aguiar, M. (2008). O vinho na era da técnica e da informação: um estudo sobre Brasil e Argentina. Belo Horizonte: Autêntica.

Atout France. (2010). Tourisme et vin: les clienteles françaises et internationals, les concurrents de la France. Comment rester competitive? Paris: Éditions Atout France, Agence de développement touristique de la France.

Anuário Vinhos do Brasil. (2015). O Brasil e o vinho. (p. 48-49). Rio de Janeiro: Baco Multimídia.

Blume, R. Hoff, D. N. Pedrozo, E. A. (2007). Potencialidade competitiva e recursos essenciais à produção de vinhos finos: um estudo da vitivinicultura em São Joaquim, SC. http://www.sober.org.br/palestra/6/692.pdf. Accessed 10 Out 2015.

Cholley, A. (1964). Observações sobre alguns pontos de vista geográficos. Boletim geográfico. Rio de Janeiro: CNG.

Cordeiro, W. (2006). A vitivinicultura em São Joaquim - SC: uma nova atividade no município. Florianópolis: UFSC.

Dallanhol, E. B. Tonini, H. (2012). Enoturismo. São Paulo: ALEPH.

Dencker, A. F. M. (2000). Métodos e Técnicas em Turismo. São Paulo: Futura.

Falcade, I. (2001). O espaço geográfico e o turismo na Região da Uva e do Vinho no nordeste do Rio Grande do Sul. In: Encontro Estadual de Geografia, 21; Caxias do Sul: EDUCS.

Flores, M. A. D. Flores, A. (2012). Diagnóstico do Enoturismo Brasileiro. Brasília: SEBRAE; Bento Gonçalves: IBRAVIN.

Hall, C. M. Sharples, L. Cambourne, B. Macionis, N. (Eds.). (2004). Wine tourism around the world: development, management and markets. Oxford: Elsevier Butterworth-Heinemann.

Lalas, A. (2013). Para o alto: É possível compensar a pouca latitude com maior altitude nos vinhedos? http://revistaadega.uol.com.br/artigo/para-o-alto_5463.html. Acesso em: 25 Fev. 2014.

Lignon-Darmaillac, S. (2011). Vin, Vignobles et Tourisme: des relations à construire. (p. 8-14). Paris: Cahiers Espaces.

Losso, F. B. Pereira, R. M. F. do A. (2012). O desenvolvimento da vitivinicultura e as possibilidades de implantação de roteiros enoturísticos na região de São Joaquim (SC, Brasil). Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo. http://www.rbtur.org/rbtur/article/view/503/566. Acesso em: 21 Maio 2014.

Mamigonian, A. (1969). Notas sobre o processo de industrialização no Brasil. São Paulo: Boletim do Departamento de Geografia de Presidente Prudente.

Mamigonian, A. (1986). Indústria de Santa Catarina. Atlas de Santa Catarina. Florianópolis: GAPLAN.

Mamigonian, A. (1987). Introdução ao pensamento de Ignácio Rangel. Revista Geosul. Florianópolis: GCN/CFH/UFSC.

Mamigonian, A. (2011). A indústria de Santa Catarina. In A. Mamigonian (Ed.), Santa Catarina: Estudos de geografia econômica e social (p. 73-120). Florianópolis: GCN/CFH/UFSC.

Oliveira, S. L. D. (1999). Tratado de metodologia científica. São Paulo: Pioneira.

Panceri, C. Política de rotas e elaboração de projeto - GT Enoturismo. (2015). [mensagem pessoal] Mensagem recebida por: . Acesso em: 25 Set. 2015.

Protas, J. F. da S. Camargo, U. A. Melo, L. M. R. de. (2008). A vitivinicultura brasileira: realidade e perspectivas. Disponível em: http://www.cnpuv.embrapa.br/publica/artigos/vitivinicultura/. Acesso em: 11 Out. 2015.

Protas, J. F. da S.; Camargo, U. A. (2011). Vitivinicultura brasileira: panorama setorial de 2010. Brasília: SEBRAE; Bento Gonçalves: Ibravin / Embrapa Uva e Vinho.

Rangel, I. (1981). A História da dualidade brasileira. Revista de Economia Política. (p. 5-34). São Paulo: Editora 34.

Richardson, R. J. (1999). Pesquisa Social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas.

Santos, M. (1977). Sociedade e Espaço: a formação social como teoria e como método. Boletim Paulista de Geografia, 54, 81-100 (1977). São Paulo: AGB.

Santos, M. (1997). Espaço e Método. São Paulo: Nobel.

Sommers, B. J. (2010). Geografia do Vinho. (p. 237). Osasco: Editora Novo Século. Tradução de: Pamela Andrade.

Tonietto, J. (2003). Indicações geográficas para vinhos brasileiros. http://sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br/FontesHTML/Uva/UvasViniferasRegioesClimaTemperado/indicacoes.htm. Acesso em: 20 Abr. 2014.

Valduga, V. (2007). O processo de desenvolvimento do enoturismo no Vale dos Vinhedos. (p. 149). Caxias do Sul: 2007. UCS.

Zanini, T. V., & da Rocha, J. M. (2010). O Enoturismo no Brasil: um estudo comparativo entre as regiões vinícolas do Vale dos Vinhedos (RS) e do Vale do São Francisco (BA/PE). Revista Turismo em Análise, 21(1), 68-88.

Downloads

Publicado

2016-04-27

Como Citar

Losso, F. B., & Pereira, R. M. F. do A. (2016). O ENOTURISMO EM SANTA CATARINA (BRASIL): O CASO DA VINÍCOLA VILLAGGIO GRANDO. Tourism and Hospitality International Journal, 6(2). Obtido de http://thijournal.isce.pt/index.php/THIJ/article/view/169