ENOTURISMO NO VALE DO SÃO FRANCISCO, NORDESTE BRASILEIRO: UMA ALTERNATIVA AO DESENVOLVIMENTO REGIONAL

Autores

  • Patrícia Lins de Arroxelas Galvão

Palavras-chave:

Enoturismo, Território, Desenvolvimento Regional.

Resumo

O Vale do São Francisco, situado no semiárido do Nordeste brasileiro, vem sofrendo transformações no espaço que era marcado pela prática do abastecimento local e, atualmente, desenvolve agricultura irrigada, tornando possível programar colheitas para toda semana e obter até 2,5 safras ao ano. Impulsionado pelos projetos de agronegócio, o vale atrai investimentos de vinícolas internacionais, gerando euforia de desenvolvimento pouco comum no sertão nordestino, normalmente marcado pela seca, pobreza e baixo índice de desenvolvimento humano, destacando-se como referencial de desenvolvimento territorial regional. Apostando na produção de vinhos, governo e empresários voltam-se para estruturação do enoturismo, que se apresenta de forma singular em vias de consolidação. Este estudo objetiva analisar as dinâmicas territoriais no Vale do São Francisco, observando novas práticas relativas às atividades, fluxos e ocupação do território, com a implantação de novas estruturas turísticas. A pesquisa, de abordagem qualitativa, foi realizada por meio de levantamento e análise bibliográfica que forneceram subsídios teóricos, além do trabalho de campo, desenvolvido pela técnica da observação participante, junto a empresários, governos e instituições ligadas à vinicultura e turismo. Ressalta-se que o enoturismo representa um veículo para que turistas visitem a região, descobrindo aspectos ambientais, culturais e gastronômicos. O turismo valorizou o território, associado às modificações provenientes dos objetos artificiais. Reveste-se de forte refinamento, recriando o espaço a partir de ações cada vez mais artificiais para realizar desejos e expectativas dos visitantes. Torna-se território turístico singular, com produção vinífera diferenciada da tradicional.

Referências

Almeida, J., Froehlich, J. & Riedl, M. (2000). Turismo rural e desenvolvimento sustentável. Campinas: Papirus.

Banks, G. & Overton, J. (2010). Old world, new world, third world? Reconceptualising the worlds of wine. Journal of wine research, 21(1), 57-75.

Brandão, C. (2008). Pactos em territórios: Escalas de abordagem e ações pelo desenvolvimento. O&S, 15(45), abril-junho.

Cambourne, B. (1998). Wine tourism in the Camberra district. Wine tourism – Perfect Partners, Proceedings of the First Australian Wine Tourism Conference, Bureau of Tourism Research.

Casado, P., Pérez, J., Solano, S. & Román, C. (2015). El turismo cinegético: una oportunidad sostenible para el turismo rural. Tourism and Hospitality International Journal, 4(2), 89-104.

CONDEPE. Instituto de Planejamento de Pernambuco (2003). Governo nos municípios: Plano regional de inclusão social - São Francisco estratégico. Recife: FIDEM.

Contreras, A. (2015). Turismo rural en el acomuna de Villarica – Chile: institucionalidad y emprendedores rurales. Estudios y Perspectivas en Turismo, 24 (1), 21-39, Jan-abril.

Costa, A. & Kastenholz, E. (2009). O enoturismo como fator de desenvolvimento das regiões mais desfavorecidas. Congresso de Desenvolvimento Regional de Cabo Verde. Anais. (pp. 1489-1508). Cabo Verde.

CTPeixes. Centro de Transposição de Peixes. Mapa da bacia do são francisco. Brasília: CNPQ. Disponível em www.sfrancisco.bio.br, acesso em out 2015.

Falcade, I. (1999). Vale dos Vinhedos: Caracterização geográfica da região. Caxias do Sul: EDUCS.

Fonseca, M. (2005). Espaço, políticas de turismo e competitividade. Natal: EDUFRN.

Furtado, C. (2007). Formação econômica do Nordeste. 34 ed. São Paulo: Companhia das Letras.

Getz, D. & Brown, G. (2006). Critical success factors for wine tourism regions: a demand analysis. Tourism Management. 27(1), 146-158, jan.

Graziano da Silva, J. (1997). O novo rural brasileiro. Belo Horizonte: Nova Economia.

Guzmán, T., La Torre, G. & Ocerín, J. (2008). Análisis econométrico del enoturismo en España: un estudio de caso. Estudios y Perspecitvas en Turismo. 17 (1), 98-118, jan.

Haesbaert, R. (2011). O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Hall, M. et al. (2004). Wine tourism – an introduction. In C. Hall, L. Sharples, B. Cambourne; N. Macionis (orgs). Wine tourism around the world – development, management and markets. Oxford: Elsevier.

Lazo, M.M (2011). Calidad enoturística en la futura ruta del vino de la D.O. Ribeira del Duero en España. Revista TMQ, Lisboa, 2(2).

Locks, E. & Tonini, H. (2005). Enoturismo: o vinho como produto turístico. Turismo em Análise, São Paulo: ECA-USP, 16(2), 157-173, nov.

Nascimento, M., Abrantes, A. & Costa, N. (2014). O turismo no desenvolvimento regional e o seu financiamento. Tourism and Hospitality International Journal, 3(1), 30-45, set.

O’Neil, M. & Charters, S. (2000). Service quality at the cellar door: implications for Western Australia developing wine tourism industry. Managing Service Quality, Bedford, 10.

Ortega, A.C., Jeziorny, D.L. (2011). Vinho e território: A experiência do Vale dos Vinhedos. Campinas: Alínea.

Pérez, J., Casado, P., Río Rama, M. & Álvarez García, J. (2015). La diversificación económica sostenible del medio rural a través del turismo cinegético. Cultur, Florianópolis: UESC, 9(3), 44-63, out.

Perroux, F. (1967). A economia do século XX. Lisboa: Morais.

Pinto, C. (2014). Globalización, vinos y turismo. Tourism and Hospitality International Journal, 3(4), 293-306.

Río Rama, M., Alvarez García, J., Gândara, J., Valduga, V. & Rodríguez González, P. (2014). Rute del vino Ribeiro Sacra (Galícia – España): Análises desde el punto de vista de la oferta enoturística. Turismo & Sociedade, Curitiba, 7(3), 554-575, julho. Dossiê sobre Enoturismo.

Rua, J. (2006). Urbanidades no rural: O devir de novas territorialidades. Campo-Território. Revista da Geografia Agrária, Uberlândia, 1(1), 82-106, fev.

Sampaio, Y. et al. (1979). Política agrícola no Nordeste: intenções e resultados. Brasília: BINAGRI.

Schlüter, R. G. (2003). Gastronomia e Turismo. São Paulo: Aleph.

SEBRAE. Serviço Brasileiro de Apoio a Micro e Pequena Empresa. (2003). Programa de Marketing, Competitividade e Comercialização do Turismo nos municípios Petrolina, Lagoa Grande e Santa Maria da Boa Vista. Petrolina: SEBRAE.

Simões, O. (2008). O enoturismo em Portugal: as rotas do vinho. Pasos, revista de turismo y património cultural, 6(2), 269-279.

Splendor, F. (2003). Vinhos: degustação e serviço, saúde, enoturismo. Caxias do Sul: EDUCS.

Tach, L. (2007). Trends in wine tourism.. Disponível em: www.winebusiness.com, acesso em outubro 2012.

VINHOVASF. Instituto do Vinho do Vale do São Francisco. (2011). Histórico. Disponível em: http://www.vinhovasf.com.br, acesso em abril 2011.

Vital. T. W. (2009). Vitivinicultura no Nordeste do Brasil: situação recente e perspectivas. Revista Econômica do Nordeste, 40(3), 499-524.

Downloads

Publicado

2016-04-27

Como Citar

Galvão, P. L. de A. (2016). ENOTURISMO NO VALE DO SÃO FRANCISCO, NORDESTE BRASILEIRO: UMA ALTERNATIVA AO DESENVOLVIMENTO REGIONAL. Tourism and Hospitality International Journal, 6(2). Obtido de http://thijournal.isce.pt/index.php/THIJ/article/view/171