WORK EXCHANGE EM LISBOA: VIAGEM, TRABALHO E ALGUMA DIVERSÃO

Autores

  • Kali Fauaze
  • Jorge Abrantes

Palavras-chave:

Hostels, Intercâmbio de trabalho, Lisboa

Resumo

Como resultado dos princípios da economia partilhada, da existência de plataformas promotoras deste tipo de intercâmbio e da nova realidade geracional (millennials), o intercâmbio de trabalho (work exchange) no setor do turismo tem assistido a um crescimento da sua importância internacionalmente, onde muitos dos turistas trocam mão-de-obra por hospedagem e alimentação. Esta situação permite aos turistas viajarem a baixo custo, alargando a sua permanência nos destinos e aproveitando, ao mesmo tempo, para visitar e conhecer esses territórios. Fruto do crescimento do número de hostels na cidade, Lisboa (Portugal) tem sabido atrair esta nova procura turística. A presente investigação olha para esta inovadora realidade, de combinar trabalho e lazer, como principal motivação à viagem, fazendo uma caracterização do perfil do turista trabalhador na cidade de Lisboa. Os resultados evidenciam que muitos destes turistas poderiam não se deslocar, caso não existisse a possibilidade de work exchange, considerando ser uma forma mais sustentável, barata e cativante para se explorarem novos destinos e se conhecerem novas pessoas.

Referências

Abrantes, J. (2016). O contributo das companhias aéreas de baixo custo para o desenvolvimento dos hostels nas cidades de Lisboa e Porto. (Tese de Doutoramento). Universidade de Lisboa - Instituto de Geografia e Ordenamento do Território, Lisboa. Disponível em: https://repositorio.ul.pt/handle/10451/24633

Botsman, R., & Rogers, R. (2011). What’s mine is yours: How collaborative consumption is changing the way we live. London, United Kingdom: HarperCollins Publishers. Callanan, M, & Thomas, S. (2005). Volunteer tourism: Deconstructing volunteer activities within a dynamic environment. In M. Novelli (Ed.), Niche tourism: contemporary issues, trends and cases (pp.183-200). Oxford, United Kingdon: Butterworth-Heinemann. Cheer, J. M. (2018). How to visit orphanages or volunteer overseas without exploitation. ABC Australia. Consultado em 18 de outubro de 2020. Disponível em: https://www.abc.net.au/news/2018-01-31/improvingorphanagevoluntourism/9375614 Cheer, J. M. (2019). The characteristics and impacts of voluntourism. Geodate.

Cheng, M. (2016). Current sharing economy media discourse in tourism. Annals of Tourism Research, 60, 111-114. DOI: https://doi.org/10.1016/j.annals.2016.07.001.

Costa, C., & Veríssimo, M. (2018). Do hostels play a role in pleasing millennial travellers? The Portuguese case. Journal of Tourism Futures, 4(1), 57-68. DOI: https://doi.org/10.1108/JTF-12-2017-0054.

Coutinho, C. P. (2011). Metodologia de Investigação em Ciências Sociais e Humanas: Teoria e Prática. Coimbra: Edições Almedina.

Creswell, J. W. (2014). Research design: Qualitative, quantitative and mixed methods approaches (4th ed.). Thousand Oaks, CA, USA: Sage

Engelbrecht, R., Pinheiro, P., & Yurgel, L. (2018). O turismo colaborativo como ferramenta de intercâmbio: Estudo de caso de uma universidade brasileira. Applied Tourism, 3(3), 13-36.

Formigoni, A. (2018). What is a work exchange and how does it work? Consultado em 20 de novembro de 2020. Disponível em: https://www.worldpackers.com/pt-BR/articles/what-is-a-work-exchange-and-how-does-it-work.

Frazer, R., & Waitt, G. (2016). Pain, politics and volunteering in tourism studies. Annals of Tourism Research, 57, 176-189. https://doi.org/10.1016/j.annals.2016.01.001.

Gomes, M. (2019). O contributo do Web Summit para a projeção da imagem e atratividade de Portugal nos media internacionais. (Dissertação de mestrado). Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril, Estoril. Disponível em: https://comum.rcaap.pt/handle/10400.26/32727

Hippohelp. (2020a). Hostmarkers. Consultado em 10 de novembro de 2020. Disponível em: https://hippohelp.com/hosts

Hippohelp (2020b). Leopold and Hippohelp. Consultado em 10 de novembro de 2020. Disponível em: http://hippohelp.com/

Hippohelp (2020c). Work travel and live with the locals. Consultado em 10 de novembro de 2020. Disponível em: http://hippohelp.com/

Hoffower, H. (2019). Lisbon is the hottest travel destination for millennials in 2019. We asked 20-somethings for their best travel tips — from fairy-tale castles to buzzing nightlife, here’s what they said. Consultado em 9 de fevereiro de 2021. Disponível em: https://www.businessinsider.nl/lisbon-portugal-travel-guide-millennials-favorite-destinations-2019-8?international=true&r=US

Hopperjobs (2020a). Are you ready for a life changing experience? Consultado em 10 de novembro de 2020. Disponível em: https://www.hopperjobs.com/

Hopperjobs (2020b). Work exchange opportunities by country. Consultado em 10 de novembro de 2020. Disponível em: https://www.hopperjobs.com/work-exchange-opportunities-countries/

Howe, N. & Strauss, W. (2007). The next 20 years: How customer and workforce attitudes will evolve. Harvard Business Review, 93, 13-24.

INE. (2020). Estatísticas do turismo – 2019. Lisboa: Instituto Nacional de Estatística, I.P.

Kale, S. (2017). Lisbon emigration: Why millennials are moving to the Portuguese capital in their droves. Consultado em 9 de fevereiro de 2021. Disponível em: https://www.independent.co.uk/travel/europe/lisbon-emigration-tourism-millennials-freelancers-digital-nomad-portugal-airbnb-a7967376.html

Kirk, D. (2019). The millennial migration - Why thousands are turning Lisbon travel into a lifestyle. Consultado em 9 de fevereiro de 2021. Disponível em: https://www.contiki.com/six-two/why-millennials-moving-to-lisbon/

Reichert, F., & Print, M. (2018). Civic participation of high school students: The effect of civic learning in school. Educational Review, 70(3), 318-341.

Downloads

Publicado

2021-03-27

Como Citar

Fauaze, K., & Abrantes, J. (2021). WORK EXCHANGE EM LISBOA: VIAGEM, TRABALHO E ALGUMA DIVERSÃO. Tourism and Hospitality International Journal, 16(1). Obtido de http://thijournal.isce.pt/index.php/THIJ/article/view/276